CLIQUE NO PLAY PARA OUVIR RÁDIO INDEPENDENTE FM 104.9

TRANSLATE TO YOUR FAVORITE LANGUAGE - TRADUZA PARA SEU IDIOMA FAVORITO:

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Motos colidem no centro de Ichu:


Blog de andreluizichu :REPÓRTER ANDRÉ LUIZ - ICHU - BAHIA - (75) 8122-4970 - DEUS É FIEL - EMAIL: andreluizichu@hotmail.com, Motos colidem no centro de Ichu
Foto: André Luiz
Duas motos colidiram hoje, 15, no centro da cidade de Ichu. 

A colisão aconteceu por volta das 17:30 entre a moto Honda XRE 300 de Placa NYP - 1166 licença de Ichu pilotada por Maria Nailda Oliveira e a moto Honda Titan 125 de Placa JKY - 6011 licença de Ichu pilotada por Daniel Santos Araujo.
   Conforme informações ambos vinham seguindo na mesma mão pela Av. Elvira Freitas e quando chegaram no cruzamento próximo ao Caldo & Cia houve o choque e consequentemente a queda.
    No acidente os condutores tiveram apenas ferimentos leves e o dano maior foi causado na moto XRE 300 pertencente à Nailda.
    A Polícia Militar esteve no local, registrou a ocorrência e verificando que as motos estavam em dias, foi proposto e  realizado um acordo para que o piloto da TITAN 125 pague as despesas da moto XRE, pois, segundo informações o mesmo tentou fazer uma ultrapassagem pela direita causando o acidente.

Fonte: André Luiz

Aluna foi agredida por colega em sala de aula no Colégio Municipal de Barrocas:

Marca da violência no piso
Na manhã desta sexta-feira (15) por volta das 08:00, a experiente e graduada professora Karina, desenvolvia a sua aula, quando uma adolescente de posse de uma tesoura, agrediu uma colega em plena sala. Segundo outros estudantes que estavam na sala, e menor sequer discutiu com a colega, e já foi deferindo vários golpes no rosto da vítima que estava sentada. 
A todo momento alunas
chegavam chorando a diretoria.
O episódio criou um clima de tensão no maior colégio municipal da cidade, a todo o momento chegava a secretaria alunas chorando bastante, várias delas tiveram que ser liberadas outras foram atendidas no hospital. Além dos alunos a situação afetou professores e a direção que tentava a todo o momento acalmar os estudantes.
A professora Karina bastante abalada conversou com nossa equipe, segundo ela nos 18 anos de profissão nunca viu nada igual: “foi uma cena horrível” disse.
A situação só não foi ainda pior, porque a senhora Licinha que trabalha na cantina ao ouvir a gritaria foi até a sala e segurou à menor, logo depois um Guarda Municipal Robério que trabalha na escola também chegou a ajudou.
A menor vítima de agressão foi socorrida pela Polícia Militar e levada até o Hospital Municipal, E. de 14 anos , teve ferimentos no rosto e no braço, devido ao corte profundo na testa , levou 5 pontos.
Depois de ser atendido no Hospital ele foi levada para ser ouvida na Delegacia, lá a menor acusada de agressão também se encontrava, acompanhada por uma Conselheira Tutelar.
A professora Cássia que foi à delegacia, ao ver as duas alunas disse: “Eu não entendo essa situação, porque vocês são amigas” ainda segundo a professora de Educação Física, as meninas costumam fazer trabalhos escolares juntas e são amigas.
Informações colhidas no colégio indicam que a agressão foi motivada por ciúmes, a menor V. namorava um aluno da escola que era muito amigo de E.
Conversamos com o rapaz, que teria sido o motivo da agressão, e ele nos disse que não tinha nada a ver, e que a menina é sua ex-namorada. O menor também precisou foi à delegacia.
Tudo aconteceu na sala 7, onde 24 alunos estudam a 7ª série.
É preocupante ver a crescente violência que tem atingindo todo país, o agravante é que ultimamente um local tido até então como seguro também começa a ser tomado pela violência. Depois da tragédia na Escola em Realengo RJ a sociedade está preocupada, pais e mães já não ficam tranqüilas ao deixar os filhos na escola. Este fato do Rio só chamou a atenção pela forma bárbara que aconteceu, mas há algum tempo as escolas sofrem com a violência.
Na delegacia a Avô da vítima estava revoltada com a situação.
 A Nossa Voz

Morre aos 114 anos nos EUA o homem mais velho do mundo:


O americano Walter Breuning, considerado pelo livro Guinness dos Recordes o homem mais velho do mundo, morreu nesta quinta-feira (14) aos 114 anos.
Breuning, operário ferroviário aposentado, morreu de causas naturais em um hospital de Great Falls, no estado americano de Montana, onde ele morava.
Ele ficou internado boa parte deste mês, disse Stacia Kirby, porta-voz do asilo em que ele morava.
Breuning era o mais velho homem do mundo e a segunda pessoa mais velha, segundo o Grupo de Pesquisa de Gerontologia, de Los Angeles, Cafilórnia.
 pessoa mais velha do mundo é Besse Cooper, de Monroe, no estado americano da Geórgia, nascida 26 dias antes que ele.
Em uma entrevista no ano passado, durante seu aniversário de 114 anos, ele revelou o segredo de uma vida longa: sempre abrace a mudança, mesmo quando ela bate na sua cara; coma duas refeições por dia; trabalhe o máximo que puder; ajude os outros; e aceite a morte.
Ele vivia desde 1980 vivia em um lar para idosos e foi declarado o homem mais velho do mundo pelo Livro Guinness de recordes mundiais em 18 de julho de 2009.
"Estou profundamente triste pela perda de meu amigo querido e grande cidadão de Montana Walter Breuning", disse o governador do Estado, Brian Schweitzer, em comunicado à imprensa. "Ele era sábio, mais ainda do que seus anos de vida justificariam."
Breuning nasceu em 21 de setembro de 1896 em Melrose, Minnesotta, e passou a maior parte de sua infância e adolescência no Dakota do Sul, até começar a trabalhar para a ferrovia Great Northern, em 1913.
Em 1918, ele se mudou para o Montana para ser funcionário de escritório da ferrovia. Quatro anos depois, casou-se com a operadora de telégrafos Agnes Twokey.
Ele se aposentou da ferrovia aos 66.

Sertão: "Policia da Caatinga" comemora dez anos de fundação no interior baiano:


image A solenidade comemorativa aconteceu na cidade de Abaré
Nesta quinta-feira (14), a CIPE - Companhia Independente de Policiamento Especializado - Caatinga completou dez anos de fundação. 

A solenidade comemorativa aconteceu na cidade de Abaré com a presença do comandante Major PM Soares e de autoridades municipais e regionais.

Para homenagear a todos que integram essa importante companhia no Norte do Estado, o Sargento PM Paulo César de Oliveira enviou o seguinte texto para a imprensa:

É com muita satisfação que hoje me dirijo a este noticioso. O que me trouxe aqui foi a passagem do 10° aniversário de existência da Companhia Independente de Policiamento Especializado – CAATINGA (eterna CPAC).

A Polícia Militar da Bahia, ao longo dos seus 186 anos de existência tem muito a comemorar, afinal, em que pesem os dissabores pelos quais é obrigada a passar, mantém-se, como instituição centenária que é, incólume, confiável, sólida. Com a CIPE/CAATINGA não foi diferente, falo isso com a propriedade de quem tem 20 anos de atividade policial, 10 destes, dedicados à CIPE/CAATINGA (sou um dos fundadores).

Foram dias e noites intermináveis, muitas vezes sem poder e nem ter onde dormir, muitas provações, longe da família; patrulhando nas rodovias, nas estradas vicinais, do interior e da sede, dos 35 municípios - que atendemos diariamente -, combatendo o tráfico de entorpecentes, reprimindo o porte indiscriminado de armas, tentando evitar as mais diversas modalidades de roubos (pena não termos o dom da ubiqüidade; da onipresença, por isso, nem sempre conseguimos evitar que o crime aconteça), fazendo incursões nos mais longínquos rincões do Norte Baiano, enfim, tentando trazer segurança e paz ao povo baiano, pois este é o nosso fim como agentes públicos.

Servir, por esses 10 anos, na CIPE/CAATINGA (para nós CPAQUIANOS será sempre CPAC) é um estado de espírito, é um fogo imortal que aquece a alma e enternece o espírito, é dar a vida pelo próximo sem se dar conta de que está indo para a morte, é chorar ao resgatar alguém em perigo, é se controlar para não cometer crime quando prende um perigoso marginal.

Ser da CIPE/CAATINGA é abdicar de momentos importantes junto à família, é não ter feriado nem dia santo, é largar tudo quando chamado para o combate.

Guerreiros CPAQUIANOS “O que fazemos em vida, ecoa na Eternidade”, PARABÉNS CIPE/CAATINGA!!! 
“Sempre que possível, com a maior força possível, o mais rápido que puder”
CAATINGA! SERTÃO!

Quando Wellington se transformou em um assassino?


Eu quero expressar meu olhar sob outro ângulo: quando o menino Wellington se transformou num frio assassino?

O menino da foto que estampa esse artigo é o Wellington. Um menino comum, como tantos outros meninos. Olhe bem para ele: bem poderia ser meu filho, seu filho, o filho do vizinho, o amiguinho dos nossos filhos. Antes de ser menino, foi um bebê lindo - pois todos os bebês são lindos, eu que o diga, que tenho um de dez meses. O bebê Wellington, adotado por uma família, com certeza tinha suas crises de choro, mas também esboçava sorrisos e enchia o ambiente de alegria enquanto tentava articular as primeiras palavras, ou dar os primeiros passos. O bebê Wellington pode ter gerado ciúmes nos irmãos mais velhos, como ocorre em qualquer família quando nasce um bebê, mas esses ciúmes não impediam seus irmãos de o acharem lindo e engraçadinho.

O bebê, com o passar do tempo, tornou-se um menininho como tantos outros, que ia à escola e era alvo de piadas de mau gosto, como é comum entre as crianças, mas que também tinha seus momentos lúdicos, de brincadeiras, de sonhos, de pequenas alegrias. Talvez sonhasse em se tornar bombeiro ou médico quando crescesse, e enquanto isso vestia esses personagens em suas brincadeiras com os amigos.

Enfim, quando o menino deu lugar ao assassino?

A Bíblia diz que o diabo vem para matar, roubar e destruir. Ele mata nossos sonhos de infância, rouba nossa inocência, destrói nosso futuro. Décadas atrás, com 12 anos se brincava de boneca e jogava bola na rua. Hoje, com 12 anos alguns já são até pais e mães, outros estão totalmente viciados em drogas e marginalizados. O diabo está agindo cada vez mais rápido.

E o que a Igreja tem feito em relação a isso?

Quase nada. Afinal, a prioridade de muitas denominações é aumentar as arrecadações de dízimos e ofertas para reformar o templo-sede e abrir novas filiais em locais onde já existem outras igrejas, aumentando a concorrência do mercado da fé e o salário de seus líderes. O cuidado com os órfãos e viúvas, com as crianças e os necessitados, é tido como um problema do Estado, não das igrejas.

E assim o diabo continua livre, leve e solto para transformar Wellingtons em assassinos. E isso tem sido fácil, tanto que as prisões estão super-lotadas.

Que Deus proteja nossas crianças, para que elas se tornem adultos saudáveis, já que essa tarefa a maioria das igrejas não quer tomar para si. Que nossas crianças, pelo cuidado e misericórdia do nosso Deus, se tornem adultos que ainda sejam como crianças, pois dessas é o Reino dos Céus.


***
Vera Siqueira é colunista no Púlpito Cristão