Ouça a nossa Rádio Independente FM 104.9

TRANSLATE TO YOUR FAVORITE LANGUAGE - TRADUZA PARA SEU IDIOMA FAVORITO:

quarta-feira, 1 de março de 2017

Com vários hits, Carnaval chega ao fim sem uma canção unânime

Santinha, O Doce, Taquitá, Mulheres no Poder? Diferente de anos anteriores, em 2017 não houve uma música disparada como o hit da folia
O Doce, Taquitá, Santinha, Mulheres no Poder. O Carnaval deste ano não foi de uma música só disparada na preferência dos foliões e na execução dos artistas, mas de várias sendo cantadas na boca do povo em mais de 700 horas de música tocada nos circuitos, segundo a Saltur.

Foi um Carnaval difuso no quesito trilha sonora. Canções como “Deu onda” e “Me Libera, Nega”, por exemplo, relaxaram corpos e mentes na avenida, mas não cumpriram a expectativa criada ao longo do verão. Já o hit "Oêêê", da banda La Fúria, pouco tocado pelos outros artistas na sua versão integral, virou refrão espontâneo puxado pelos foliões pipoca.

Falando na pipoca, a nova música de Armandinho homenageou quem nos últimos anos voltou a ganhar espaço na festa. “Pra que corda? / Se a pipoca tá com a corda toda / Pra que corda? / Abaixe a corda que a pipoca vai passar”, cantarolou o filho de seu Osmar na composição feita em conjunto com o irmão Aroldo Macêdo e Octácio Aguiar. Coerente com esta edição em que o Carnaval homenageou os 70 anos de Moraes Moreira, autor do “hino” Chame Gente.

A estudante Michelle Santos, 22 anos, foi uma das tantas (e tantos) que fizeram o L com a mão direita, gesto usado pelos fãs de Léo Santana para idolatrar o cantor. “Acho que Santinha foi a melhor música que ouvi nos últimos Carnavais. Quando tocava essa música, o povo ficava doido. Gosto muito de Xanddy, mas este ano não teve nenhuma música dele como Santinha. Neste ano, Léo ganhou de Xanddy, com certeza!”, disse Michelle, em uma comparação que indica a elevação de patamar alcançada por Léo Santana sete anos após o Carnaval do Rebolation. “Essa música faz a gente dançar e descer até o chão. Eu sou uma santinha assumida”, completa a turista cearense Karizia Melo, 32.

A piauiense Wislania Santos, 36 anos, prefere O Doce, de Ivete Sangalo. “Essa música tem uma batida muito gostosa”, argumenta, em seu quinto Carnaval de Salvador.

Se for falar de pluralidade, Daniela Mercury inovou, como de costume. E não só por levar a temática do empoderamento feminino, negro e gay ao seu desfile. Na madrugada de sábado para domingo, a “Rainha” transformou bossa nova em samba-reggae ao interpretar Desafinado, de João Gilberto, no palco Skol, montado no Farol da Barra.

O Correio 24 Horas  ouviu alguns cantores a respeito da música do Carnaval e o resultado parece uma gincana: Luiz Caldas, Bell, seu filho Pipo Marques (banda Rafa e Pipo) e Bruno Magnata (banda La Fúria) apontaram músicas cantadas por eles como a melhor de 2017 - respectivamente Haja Amor, Vou Te Amar O Ano Inteiro, De Boaça e Oêêê.

Difícil escolher. Mas, como depois de todo Carnaval vem a gripe, a partir desta Quarta-feira de Cinzas o desafio é dar um nome a ela. 
 
Fonte: Correio24horas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ICHU NOTÍCIAS.

Neste espaço é proibido comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Administradores do ICHU NOTÍCIAS pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.