Ouça a nossa Rádio Independente FM 104.9

TRANSLATE TO YOUR FAVORITE LANGUAGE - TRADUZA PARA SEU IDIOMA FAVORITO:

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

“Uns choram e outros vendem lenços”. Rodovias esburacadas tem seus benefícios

Motoristas têm o desgaste do carro, que alivia quando passam no trecho que populares jogam pá de areia ou cascalho e recebem alguns trocados pelo serviço
Populares jogam pá de areia ou cascalho nos buracos e aguardam a 
recompensa pelo serviço | Foto: Raimundo Mascarenhas
Existe um dito popular "uns choram e outros vendem lenços" que bate com a realidade dos motoristas [os que choram] e pessoas que realizam o tapa buraco improvisado [os que vendem lenços] nas rodovias em situação precária de trafego.

Na BA 120 uma das mais extensas da Bahia que liga Conceição do Coité a Monte Santo no total de 163 km desde sua inauguração no ano de 1984 para 1985 no então Governo João Durval, exceto os 27 km de Coité a Valente, o restante nunca passou por reforma nesses mais de 30 anos, só que nos últimos cinco anos de Valente a Santaluz pode considerar que é possível o trafego, mesmo que tenha que livrar de alguns buracos isolados o que deixa a situação mais perigosa.
Saída Santaluz – Valente é visível o paliativo que não suporta a chuva, pois é
apenas areia solta nos buracos | Foto: Raimundo Mascarenhas
Na chegada de Santaluz cerca de 4 km antes da cidade a buraqueira é maior, o que é muito ruim para os condutores de veículos, mas que tem beneficiado aos moradores da área que  fatura uns trocados jogando pá de areia ou cascalho nos buracos, a fim de amenizar a situação. A dona de casa Luciene Celestino dos Santos, 43 anos, moradora do Açude Tapera é uma dessas pessoas que faz esse trabalho diário, ela sabe que pode ficar o dia inteiro sem que alguém jogue uma moedinha sequer, mas essa frustração ela não tem, pois, segundo ela cada cinco veículos que passam de pelo menos um,’cai uma moedinha’, que ao final do dia chega a faturar até R$ 80 reais.

A dona de casa disse que a única renda que vem tendo é essa, pois, o marido está desempregado e o filho de 23 anos, está operado de apendicite. ” É através desse trabalho que o dinheiro está chegando dentro de casa, estava com treze recibos de luz, já paguei uma parte”, conta feliz a dona de casa. Ainda de acordo com Luciene, no natal recebeu panetone e até garrafa de vinho e os valores das gorjetas são de dez centavos a um real, mas afirma que já teve situação de receber R$ 5 e R$ 10. Luciene trabalha com a prima ‘Nena’ com quem divide todo valor arrecadado no dia.

Não existe previsão para reforma do referido trecho. Enquanto isso não acontece Luciene, Nena, e outras pessoas inclusive crianças vão realizando o paliativo.

Redação CN | Fotos: Raimundo Mascarenhas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ICHU NOTÍCIAS.

Neste espaço é proibido comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Administradores do ICHU NOTÍCIAS pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.