CLIQUE NO PLAY PARA OUVIR RÁDIO INDEPENDENTE FM 104.9

TRANSLATE TO YOUR FAVORITE LANGUAGE - TRADUZA PARA SEU IDIOMA FAVORITO:

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Família refugiada da Venezuela está morando em Retirolândia. Conheça o drama que está vivendo

Seis pessoas e apenas uma com emprego fixo, cujo contrato foi apenas 3 meses e está acabando.
Foto: Raimundo Mascarenhas
Nos últimos dois anos o Brasil e o mundo vêm acompanhando a dramática situação do povo da Venezuela, País que faz fronteira com o Brasil através do Estado de Roraima. A grande recessão, instabilidade política seguido de hiperinflação, desemprego, fome e violência provocou a saída de milhares de venezuelanos sendo que a grande maioria procurou o Brasil como refúgio.

Entre os refugiados está o casal Daniel Ibarra 46 anos e Kairobis Lopez, 39, os filhos Kairin Puerta, 20, Estalin Ibarra, 08, e Dankairis Ibarra, 06, a senhora Elfrides Chacare, 67, mãe de Kairobis e Yei Fran Fernandes 21, namorado de Kairin que deixaram há nove meses a Cidade de Guayana no Estado Bolivar – Venezuela.
Apenas a senhora está com emprego, mas o contrato foi de apenas 3 meses e está no fim
A família recebeu o Calila Noticias na casa onde estão morando na cidade de Retirolândia na região sisaleira da Bahia na noite desta terça-feira, 26, e relatou toda dificuldade que passou no País de origem e durante os nove meses que passou em processo de interiorização em Boa Vista capital de Roraima.

A senhora Kairobis disse que a situação é muito grave no país e aumenta a cada dia e a única solução seria a saída de Nicolás Maduro do poder.” O país falta tudo que é essencial, os trabalhadores não recebem, os desemprego é grande, falta alimento nos mercados e quando são encontrados os valores são muito altos, não se compra o frango e o arroz, precisa fazer a escolha do que levar. Falta medicamento nos hospitais, meu pai fazia tratamento contra o câncer e há sete meses parou a quimioterapia e acabou morrendo”, lamentou Kairobis.
Kairobis tem experiencia no setor químico, mas sua profissão de oficio é professora
Ela contou que chegou a Retirolândia há quase 3 meses com ajuda do Governo Federal (brasileiro) e a Organização das Nações Unidas (ONU) que estão mantendo contato com cidades brasileiras principalmente as empresas para garantirem emprego aos refugiados. Essa força tarefa humanitária também arcou com as despesas de passagens aéreas.

Kairobis por ter certificação no setor químico conseguiu um contrato de trabalho com duração de 3 meses na empresa Lunik em Retirolândia que além de pagar o valor correspondente ao salário mínimo brasileiro também garantiu o pagamento de seu aluguel durante os 90 dias. A Lunik trabalha com a fabricação de produtos de limpeza.
Kairobis afirma que em seu país este certificado a torna habilitada a diretora de escola
Kairobis fez questão de mostrar os diplomas e certificados do que considera sua profissão de oficio, ou seja, professora com especialidades em atuação em sala com crianças autistas, síndrome de down, retardamento mental, deficit de aprendizado. Outro certificado que ela apresentou no seu país a torna habilitada para trabalhar como diretora de qualquer escola pública ou privada.

Segundo ela quando levava uma vida normal na Venezuela trabalhava os três turnos em escolas e universidade de domingo a domingo para receber o equivalente a um salário mínimo do Brasil. A professora está preocupada quanto ao seu futuro na empresa, pois praticamente já cumpriu os três meses e inclusive o último aluguel já foi pago por ela e gostaria muito de buscar algo que lhe desse estabilidade de emprego.

O esposo Daniel é técnico em refrigeração, mas ainda não conseguiu uma oportunidade e está prestando serviço numa oficina de moto na cidade. O genro Yei Fran agradece se for chamado por algum açougue, pois, segundo ele atuou em seu país como magarefe.

Kairobis lamentou bastante mesmo foi ter que deixar o país e levar consigo a filha Kairin que estava cursando o segundo ano em Direito, mas diante da dificuldade um cargo em alguma loja ou recepcionista seria uma boa alternativa de trabalho.

Ajuda humanitária está acontecendo por parte de algumas pessoas de Retirolândia que já doaram roupas e alimentos a família Ibarra.

Tem gente nova que se juntou a família
Chegou na segunda-feira, 25, a Retirolândia o Jackson Quilarte, 38 anos, que também graças a certificação no setor químico foi convidado para trabalhar na mesma empresa que está a Kairobis e segundo ele já chegou trabalhando. A grande tendencia de profissionais no setor químico é justamente pelo fato de a Venezuela se destacar como um dos maiores produtores de petróleo do mundo e também de gás natural.
Jackson (camisa azul ) disse que passou 7 horas dentro do avião de Boa Vista a Salvador
Jackson disse que tem grande experiencia como petroquímico e poderá contribuir com empresas de pequeno, médio e grande porte.

Jackson que em seu país se pronuncia (Yackson) é casado e está preocupado por ter deixado esposa e filhos. Disse que a fome é uma realidade no país, citou a situação do próprio pai que afirmou que era gordo e o deixou bastante magro.

A família está aceitando donativos e garantem que o maior desejo mesmo é conseguir empregos para que possam adquirir o alimento, roupa e pagar com tranquilidade o aluguel.

Redação CN



Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ICHU NOTÍCIAS.

Neste espaço é proibido comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Administradores do ICHU NOTÍCIAS pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.