CLIQUE NO PLAY PARA OUVIR RÁDIO INDEPENDENTE FM 104.9

TRANSLATE TO YOUR FAVORITE LANGUAGE - TRADUZA PARA SEU IDIOMA FAVORITO:

terça-feira, 28 de agosto de 2018

Dólar fecha a R$ 4,14 na terceira maior cotação diária desde Plano Real

O dólar se aproximou de R$ 4,15 nesta terça-feira (28), com o noticiário eleitoral mais aquecido e um cenário externo menos favorável a emergentes. O dólar comercial avançou 1,44% e fechou a R$ 4,141. A moeda chegou a abrir em baixa, atingiu R$ 4,065, mas na máxima foi a R$ 4,148.
Essa foi a terceira maior cotação diária desde o Plano Real —em setembro de 2015, fechou a R$ 4,145 e em janeiro de 2016 foi a R$ 4,166. O Ibovespa, índice que reúne as ações mais negociadas no Brasil, recuou 0,59%, para 77.473 pontos. Na segunda-feira (27), o anúncio de um acordo entre Estados Unidos e México trouxe certo alívio ao mercado global, e o dólar perdeu força pelo mundo, inclusive ante o real.

Alguns analistas começam a apontar, no entanto, que os termos negociados ainda são preliminares e questionáveis. Em relatório, o banco Goldman Sachs diz não ver efeito macroeconômico substancial nos Estados Unidos caso os termos revisados sejam implementados. Um dos pontos destacados é que, na opinião de Alec Phillips, que assina o relatório, o acordo é mais restritivo do que o esperado em relação ao setor automotivo, atendendo mais aos interesses americanos do que aos mexicanos.

 
A corretora Spinelli ressalta ainda dados divulgados nesta segunda apontando melhora da confiança do consumidor nos EUA, "que atingiu a máxima da série desde 2003 pelo menos e sugere uma política monetária mais apertada pelo Fed", diz, em referência à política monetária do banco central americano.
 
Taxas de juros mais altas atraem fluxo de capital para a maior economia do mundo, fortalecendo o dólar. Assim, o dia se mostra mais desafiador às moedas emergentes. A lira turca, por exemplo, perdeu 2% ante a divisa americana, o peso argentino se desvalorizou 1,67% e o mexicano, 1,14%. Cleber Alessie Machado, operador na H. Commcor, observa que os ativos brasileiros estão bastante sensíveis, e o mercado, muito especulativo.
 
"Não houve um gatilho específico. O que vemos é uma conjuntura volátil já há um tempo. Quando tem um alívio no exterior, como ontem, acaba havendo uma acomodação aqui. Se tem mau humor lá fora, no Brasil isso é potencializado. O investidor está muito arisco", diz. Internamente, o mercado segue cauteloso com o cenário eleitoral.
 
Na véspera, o Supremo Tribunal Federal (STF) informou que analisará em julgamento virtual em setembro um recurso da defesa do ex-presidente Lula contra uma decisão do plenário da corte que negou habeas corpus ao petista no início de abril.
 
Está previsto ainda para esta terça o julgamento, pela primeira turma do STF, de denúncia que pode tornar o candidato Jair Bolsonaro (PSL) réu por racismo e manifestação discriminatória contra quilombolas, indígenas e refugiados. "O mercado está trabalhando na volatilidade em cima do cenário político, com movimento pontuais e realizações muito no curto prazo", diz Marco Tulli Siqueira, gestor de operações Coinvalores.

Por Anaïs Fernandes | Folhapress / Extraída do Bahia Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ICHU NOTÍCIAS.

Neste espaço é proibido comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Administradores do ICHU NOTÍCIAS pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.