Ouça a nossa Rádio Independente FM 104.9

TRANSLATE TO YOUR FAVORITE LANGUAGE - TRADUZA PARA SEU IDIOMA FAVORITO:

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Homem que colocou fogo na casa e matou filhos é condenado a mais de 100 anos de prisão

A defensora destacou que vai entrar com recurso para tentar anular o julgamento. 
Gilson de Jesus Moura, acusado de colocar fogo na casa onde morava e matar os filhos, no dia 4 de Janeiro de 2017, no bairro Mangabeira, em Feira de Santana, foi julgado e condenado a 112 anos de prisão, por todos os crimes praticados. O julgamento acabou por volta das 20h desta quinta-feira (10) e a pena será cumprida em regime fechado no Conjunto Penal de Feira de Santana.
Ele pegou 16 anos e seis meses de prisão pela morte de Chaiane, 16 anos pela morte de Enzo, 16 anos e seis meses pela morte de Carlos, 15 anos e seis meses pela morte de Emilly, 16 anos pela morte de Tais, 11 anos pela tentativa de morte de Ayla, 16 anos pela tentativa de morte contra Cristina e quatro anos e seis meses pelo aborto, já que uma das vítimas estava grávida.
Trabalharam no júri a juíza Márcia Simões Costa, os promotores de Justiça Cláudio Jenner de Moura Bezerra e Semiana Silva de Oliveira Cardoso. Na defesa do Réu, a defensora pública Flavia Apolônio e o defensor público Gustavo Vieira Soares.
A defensora pública Flavia Apolônio afirmou ao Acorda Cidade que a tese de defesa se baseou na relação que envolvia um ciúme patológico, com fundamento na psiquiatria. Segundo ela, a tese que motivou a conduta do acusado foi a relação doentia entre ele e Cristina de Jesus Moura, que além de ser esposa era irmã de Gilson. A defensora destacou que vai entrar com recurso para tentar anular o julgamento.

“Entendemos que foi uma quantidade de pena exacerbada, não foi acolhido os argumentos em sua totalidade. A gente reconhece que foi um caso de muita complexidade, repercussão, mas a defensoria pública entende que não foi feita a justiça e a defesa vai apresentar recurso, vamos discutir as teses de defesa e vamos rediscutir a quantidade de pena, além de pedir a anulação desse julgamento”, afirmou.
O promotor de justiça Cláudio Jenner Moura Bezerra destacou que independente da quantidade da pena, a promotoria ficou satisfeita com o trabalho realizado. Segundo ele, apesar dos 112 anos de prisão, a lei brasileira só permite que o acusado fique preso 30 anos.
Foto: Arquivo (Aldo Matos/Acorda Cidade)
"30 anos é a pena máxima. A constituição não permite a prisão perpétua. Mas esse patamar determinado em relação ao que ele vai cumprir, não será comtemplado em relação aos 30 anos e sim em relação aos 112 anos. Digo isso em relação a saída temporária, a progressão de regime e a liberdade condicional. Essa é a consequência em relação a pena dele. A pena reflete os atos praticados pelo acusado. Ele cometeu um crime gravíssimo, uma chacina familiar e que a sociedade não admitiu. Foram cinco crimes de homicídio, dois de tentativa de homicídio e um de aborto, sendo um dos crimes com qualificado de feminícidio", afirmou.

Sobre a anulação do julgamento que a defensoria pública deve solicitar, o promotor disse acreditar que não vai acontecer devido ao fundamento da sentença dada pela juíza Márcia Simões Costa.

‘Vi minha filha grudada na janela com fogo nela’, relata sobrevivente
A mãe das crianças e esposa de Gilson, Cristina de Jesus Moura, que também estava na residência no dia do crime, esteve presente no julgamento. O depoimento dela foi mostrado aos jurados em um telão. Ao Acorda Cidade, ela cobrou justiça e afirmou que até hoje sofre com problemas de saúde em decorrência do que aconteceu.

“Só quero justiça pelos meus filhos. Na hora que aconteceu eu jurei que ele ia pagar. Pelos meus filhos e pelo meu neto, ele tem que pagar. Espero que não saia de lá nunca mais. Se eu souber que ele está solto eu não saio mais de casa, pois não vou confiar. Se já fez uma vez, vai fazer de novo. Ele pediu perdão, mas o que ele fez não tem perdão. Estou passando por várias cirurgias, já fiz cerca de 15, e ainda tem mais. Fiquei com sequelas no corpo todo. Minha perna não estica e eu não ando direito, além de sequelas psicológicas. Ele matou meus filhos, que tinham planos, estudavam. Ele acabou com o sonho dos meus filhos”, contou.

Uma das filhas de Cristina de Jesus Moura, que na época do crime tinha quatro anos, também sobreviveu. Cristina falou ainda sobre como a menina vive atualmente e como ela lida com as lembranças do crime.

“Minha filha que sobreviveu está bem e às vezes comenta dos irmãos. Ela sonha com os irmãos, mas não pergunta pelo pai. Eu vi minha filha grudada na janela com fogo nela, é difícil esquecer. Eu achei que ia morrer, mas tenho que seguir em frente e chamar por Deus, pois ainda tenho uma filha”, disse.

Leia também

Daniela Cardoso com informações do repórter Aldo Matos do Acorda Cidade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ICHU NOTÍCIAS.

Neste espaço é proibido comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Administradores do ICHU NOTÍCIAS pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.