CLIQUE NO PLAY PARA OUVIR RÁDIO INDEPENDENTE FM 104.9

TRANSLATE TO YOUR FAVORITE LANGUAGE - TRADUZA PARA SEU IDIOMA FAVORITO:

sexta-feira, 16 de outubro de 2020

PIX desafia indústria de cartões, maquininhas e grandes bancos

Nova funcionalidade do Banco Central promete revolucionar os hábitos de pagamentos e coloca em xeque serviços já conhecidos.

O PIX, novo sistema de pagamento instantâneo do Banco Central (BC), é o assunto do momento. Após milhares de cadastros já realizados, o mês de novembro promete movimentar muito dinheiro de forma rápida, fácil e gratuita para todas as pessoas físicas que possuem conta em banco.

Entre os grandes benefícios do PIX destacam-se a velocidade de transferências, que podem ser executadas em até 10 segundos e, claro, a gratuidade da ferramenta que, diferentemente de TED e DOC, não cobra cerca de R$15 por transação entre bancos. Portanto, o lançamento do PIX é aguardado com grande expectativa entre os brasileiros.

No entanto, todo este impacto positivo vai além das vantagens, afinal, o PIX tem total capacidade de desafiar a indústria de cartões, maquininhas e grandes bancos, substituindo os boletos bancários, além de alterar a experiência de consumo quando o assunto é débito ou dinheiro em espécie.

Embora ainda nem tenha chegado o início das operações do PIX, a preocupação com os setores desafiados pela nova ferramenta existe, afinal, ao movimentar cerca de R$ 1,8 trilhão, segundo os dados da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (2019), toda alteração pode impactar o mercado financeiro.

Como o PIX muda a forma de consumo?

As compras online feitas hoje por boleto, por exemplo, serão diretamente impactadas. O pagamento desses títulos passam a ser feitos pelo app do banco ou de uma carteira eletrônica e apenas será necessário abrir o app e ler o QR code do PIX. A melhor parte é que a transação é processada instantaneamente, sem precisar aguardar até 3 dias úteis.

Já as compras feitas em dinheiro ou débito contam com a mesma lógica: em uma loja física, por exemplo, o atendente pode gerar o QR code, imprimi-lo e deixá-lo no balcão. Para pagar, o cliente abre o app do banco e lê o QR code do PIX. Em poucos segundos, o dinheiro está na conta do estabelecimento.

Vale lembrar que, para usar o PIX, a pessoa física precisa ter cadastrado sua chave PIX em uma conta corrente ou poupança ou ainda uma carteira digital. Se você ainda não faz parte o grupo de mais de 33 milhões de chaves PIX cadastradas, procure sua instituição financeira ou acesse o app do seu banco.

Do Acorda Cidade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ICHU NOTÍCIAS.

Neste espaço é proibido comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Administradores do ICHU NOTÍCIAS pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.